Topo
Entendendo Bolsonaro

Entendendo Bolsonaro

Categorias

Histórico

De Junho a Bolsonaro, documentário revela o fim de um Brasil conciliador

Entendendo Bolsonaro

28/10/2019 01h47

(Crédito: Reuters)

[RESUMO] Em "O Mês Que Não Terminou", o debate se houve golpe ou não é meramente figurante. A força do mais novo documentário sobre a crise no Brasil está na sua capacidade de costurar, a partir de uma gama nada linear de referências, uma consistente linha de hipótese sobre a ascensão do bolsonarismo e de fornecer subsídios para pensar inclusive a onda de protestos no Chile enquanto a eleição de Bolsonaro faz o seu primeiro aniversário.

*Murilo Cleto

Em meio a uma das mais intensas ondas de protesto na América do Sul e o primeiro aniversário da eleição de Jair Bolsonaro no Brasil, o longa-metragem "O Mês Que Não Terminou" estreou semana passada na 43ª Mostra Internacional de Cinema em São Paulo.

O objetivo do documentário é, como sugere o título e esclarece a narração inicial de Fernanda Torres, tomar Junho de 2013 menos como passado e mais como um conjunto de "lições que podemos tirar do sentido geral desse acontecimento". Embora a direção do filme tenha sido dividida com Raul Mourão, responsável pela inclusão de videoartes contemporâneas que – junto a imagens dos protestos e entrevistas com especialistas – eventualmente acompanham o texto, o roteiro é do ensaísta Francisco Bosco.

Em "O Mês Que Não Terminou", o debate se houve golpe ou não em Dilma é meramente figurante. E talvez resida aí o seu maior trunfo. Na sua crítica ao filme na Folha, Joelmir Tavares diz que ele é "honesto com os fatos e evita concessões à esquerda ou à direita".

Em que pese a precisão da primeira afirmação, a força do mais novo documentário sobre a crise no Brasil está justamente na sua capacidade de costurar, a partir de uma gama nada linear de referências – que vão de Joel Pinheiro da Fonseca a Tales Ab'Saber; de Laura Carvalho a Samuel Pessoa –, uma consistente linha de hipótese sobre a ascensão do bolsonarismo nesse contexto muito específico da Nova República. Nova República que nem existe mais – pelo menos nos termos em que a conhecemos.

No fim das contas, o longa é uma boa oportunidade que Bosco encontrou para reapresentar algumas de suas ideias sobre a crise no Brasil já elaboradas nos primeiros capítulos de "A vítima tem sempre razão?" (Todavia, 2017) e no ensaio "Junho de 2013 foi de sonho democrático a pesadelo autoritário", publicado na Folha pouco depois da greve dos caminhoneiros, em 2018 – alguns trechos inclusive estão no filme.

Recupero os primeiros textos não por acaso. No injustiçado "A vítima tem sempre razão?", o debate de fôlego promovido por Bosco entre cultura, intelectualidade e política acabou sendo ofuscado pelo título controverso do livro e pelas acusações de que, com ele, o autor estaria querendo pautar as lutas identitárias no Brasil.

Mas há, ali, um passeio fundamental pela história do país que ajuda a tomar Junho de 2013 como o símbolo de uma grande ruptura. Grosso modo, o que Francisco Bosco faz nos primeiros capítulos do livro é demostrar como a tradição conciliatória no Brasil, representada sobretudo pela cultura – no enaltecimento da natureza; na celebração da miscigenação; na pacificação pelo futebol –, passa por um longo processo de desgaste, possivelmente iniciado pela tradição historiográfica inaugurada nos anos 1940 por Caio Prado Jr.

Nos anos 1980, essa tendência passa a ser verificada pela geração de intelectuais que quebraram a tradição dos grandes explicadores do Brasil em nome de recortes cada vez mais específicos – de classe, cor e gênero – com ênfase não na conciliação, mas no conflito; não nas continuidades, mas nas rupturas.

Na cultura, esse movimento se faz sentir através da ascensão dos Racionais MC's, que rejeitam fortemente o aspecto agregador de uma música que realizou aquilo que, através da política, a sociedade brasileira não foi capaz ou não quis realizar, transformando as diferenças em diversidade.

E não se trata de pensar os Racionais aqui como apologistas das desigualdades. Pelo contrário. Bosco recupera, no livro, uma fala de Chico Buarque dizendo que o rap era um forte indício do fim da canção. Ou, pelo menos, "da canção tal como conhecemos". E sobre isso não havia exatamente um juízo de valor, mas um diagnóstico: de fato o que os Racionais fizeram foi seguir a política anticordial dos movimentos negros nos Estados Unidos para, como diz Bosco, "numa forma seca, franca e direta […] capturar o sentido da violência brasileira". Nela, não há espaço para o encontro, para a miscigenação.

Num vídeo mais recente, Mano Brown manda um recado para ricos que fazem rap: "Playboy tem que cuidar do dinheiro do pai, dos negócios do pai, da herança. Deixa o rap com o sofredor, com o favelado, para quem não teve opção de vida, que nem eu. O rap é uma arma. O rap não é uma roupa brilhante, não, e uma corrente de ouro. O rap é para você se vingar dos putos. É a melhor arma". Esse é o exato oposto, se houver um, de Gilberto Freyre.

Foi no governo Fernando Henrique Cardoso que essa perspectiva racialista passou a orientar políticas públicas no Brasil. Um dos expoentes da tradição sociológica oitentista da USP, FHC criou o Grupo de Trabalho Interministerial para Valorização da Mulher Negra e o Programa Nacional dos Direitos Humanos para o que entendia como "discriminação positiva" na iniciativa privada, além de outras ações afirmativas. Em 2002, já deixando o Planalto, Fernando Henrique lançou o Programa Nacional de Ações Afirmativas. Lula criou, alguns anos depois, a Secretaria da Igualdade Racial, implementou o Estatuto da Igualdade Racial e instituiu cotas nas universidades federais. Dilma e Temer – o último bem menos – seguiram a tradição.

Para Bosco, foram necessários mais três fatores para que essa tradição anticordial ainda incipiente fosse aprofundada: Junho, o colapso do lulismo e as redes sociais digitais. É essa rede que, segundo o autor, constitui o "novo espaço público brasileiro". Esse novo espaço é caracterizado por uma tremenda rejeição à conciliação que caracterizou o lulismo, da famosa "carta ao povo brasileiro" às inúmeras concessões políticas que mantiveram ou aprofundaram aquilo que Marcos Nobre chamou de "peemedebismo" – essa força imobilista que, de um lado, garantiu a evolução de indicadores socioeconômicos e a estabilidade política, mas, de outro, produziu uma "cidadania afastada" que restringiu a vivência democrática ao voto.

Outro grande símbolo desse "céu (que) nunca foi azul" – metáfora escolhida por Bosco no livro e retomada para nomear a primeira parte do filme – é a "agenda Fiesp", o "passo ao lado" da "valsa brasileira" radiografada pela economista Laura Carvalho: Dilma fez exatamente o que exigiam as entidades patronais para afastar de vez o fantasma da crise do capitalismo que rondava o Brasil desde pelo menos 2009. Isso não impediu que algumas delas tenham sido as principais fiadoras do impeachment. A Fiesp avisou e, de fato, não pagou pato algum.

"O Mês Que Não Terminou" se distancia aqui de outras obras que passeiam pela crise. Enquanto algumas tomam as alianças petistas com figuras notoriamente corruptas ou regressivas da política brasileira como uma espécie de desvio de rota, o roteiro de Francisco Bosco deixa bem claro que elas se tratam, no fundo, da espinha dorsal que sustentou o lulismo como a maior força política do país no início do século 21. E aqui esse diagnóstico não serve como álibi.

Em que pesem as diferentes pautas que estiveram nas ruas em 2013, Junho significou tanto a "emergência da sociedade civil como agente político relevante" como a "inauguração de uma cultura social do engajamento". O que era o país do futebol se converteu, do dia para a noite, numa grande Ágora em que, dessa vez, os 11 escalados na ponta da língua são os ministros do Supremo e não mais os titulares da seleção brasileira.

Junho representou, nesse sentido, a versão brasileira do que o documentário apresenta como o fim da "grande moderação", vislumbrado desde pelo menos 2011 no Ocidente através do Occupy ou dos Indignados de Madri, por exemplo. Por isso, é difícil pensá-lo como algo além de uma forte reação à crise mundial do capitalismo e à financeirização da vida. E aí que esses eventos, diversos em muitos aspectos, podem encontrar um ponto de contato.

No documentário, o filósofo Marcos Nobre usa a metáfora do compasso para descrever a relação das democracias contemporâneas com o neoliberalismo:

"Esse movimento de globalização do neoliberalismo na década de 1990 era um movimento que exigia que todos os países fossem para o centro. O centro definido como 'você não desafia certos princípios de política econômica que são impostos a todos os países'. E daí você estabelece a partir daí como se fosse a ponta seca de um compasso: aí você faz o giro e você diz: 'olha, até aqui você pode ir; essa é a tua margem de manobra. Então assim, se você for muito de esquerda ou muito de direita você está fora do jogo. Você nunca vai conseguir o poder'. É essa a ideia".

Marcos Nobre, professor de filosofia da Unicamp

Essa percepção também ajuda a entender o levante popular ainda pulsante no Chile. Se é verdade, por um lado, que o Chile apresenta índices socioeconômicos invejáveis para o restante da América Latina, é verdade também, por outro, que o país tornou-se um dos mais caros para se viver; que o sistema de capitalização dá direito a aposentadorias irrisórias; que se paga por tudo, como Saúde e Educação. E que por isso tudo os chilenos estão excessivamente endividados.

Seria fácil responsabilizar o presidente Sebastián Piñera por esse quadro, mas, ainda que ele tenha sido projetado pelos Chicago Boys de Pinochet à custa de muito sangue derramado, duas décadas de governos de esquerda não foram o suficiente para desarticulá-lo. Quantas mais seriam necessárias? Sem esse ponto de clivagem, é provável que nem com todas as que estão por vir.

Assim como ninguém sabe o que vem depois dos protestos no Chile, ninguém era capaz de prever com precisão o que viria depois de Junho. O fato é que ambos também estão descritos no filme por Marcos Nobre: "Esse ciclo de revoltas democráticas que vai de 2011 até 2013… elas têm uma característica comum, todas essas revoltas. Quer dizer: 'olha, essa maneira de funcionar da democracia, ela não mais nos representa'".

E, ao contrário do que se diz, Junho trouxe resultados imediatos. "O Mês Que Não Terminou" lembra: o aumento das passagens em Rio de Janeiro e São Paulo foi revogado; processos de remoção foram suspensos; a Aldeia Maracanã ficou em pé. Nos anos seguintes, vários foram os movimentos que, inspirados por Junho, se estabeleceram definitivamente no debate público nacional. Sobre eles, Bosco tem uma ótima sacada: "O MBL não é menos Junho que o MPL, O Escola Sem Partido não é menos Junho do que os estudantes secundaristas que ocuparam as escolas públicas do país".

Diferentemente do que alardearam os meios de comunicação à época – de críticos (e até perseguidores) a entusiastas do movimento –, não há apenas um Junho legítimo. Junho era aquilo tudo mesmo: confuso, complexo; mas, acima de tudo, um basta.

Por uma série de razões, o que tinha tudo para ser o fim desse capitalismo desregulamentado acabou por virar o seu reforço, como diz a citação no filme ao filósofo Rodrigo Nunes. No Brasil, as forças de oposição acabaram por se articular em torno de uma "parlamentada" que não foi capaz de oferecer à sociedade a ruptura que ela tanto demandava – pelo contrário. E em 2017, principalmente após os áudios de Temer com Joesley Batista, ganhava corpo a alternativa extremista que sagrou-se vitoriosa nas eleições mais atípicas que esse país já teve.

O bolsonarismo foi capaz de liderar uma nem tão sólida mas muito potente correlação de forças que congregaram o lavajatismo – que foi quem vampirizou a energia anticorrupção de 2013 –; o fundamentalismo cristão; o mercado; militaristas; e demais reacionários até pouco tempo sem qualquer expressão. O PSL foi só o fiador dessa aventura. E, como demonstram os últimos eventos, é o elo mais fraco dela, dada a conjuntura.

Como a grande força que emergiu desse novo espaço público, o bolsonarismo é um grande desafio à análise política brasileira. Porque ao mesmo tempo em que é isso, ele é também um grande esforço em apagar – inclusive através da memória (basta ver algumas das produções das novas direitas acerca da história mais ou menos recente do Brasil) – a explicitação de alguns desses conflitos. Só lhe resta a paranoia anticomunista. A escravidão? Já acabou faz tempo, bola para frente; a ditadura militar? Ou matou pouco, ou não foi assim tão violenta como dizem. O bolsonarismo, no fim das contas, é uma tentativa de pacificação que se fez pelo conflito.

Tudo isso para dizer que evidentemente Junho não criou Bolsonaro, pelo menos não como alguns intelectuais do petismo ainda insistem. Junho não criou o fascismo no Brasil. Junho foi um basta. O que a sociedade brasileira e sua classe política fizeram dele é o que mais deveria preocupar. Porque foi exatamente isso que criou Bolsonaro.

Mesmo que haja muito para sentir falta daquele Brasil de 2013 e que a polarização tenha de fato piorado a qualidade do debate público no país, a suposição de que o caminho para o retorno do bom senso na política – seja ele o que for – é o retorno ao centro como estava posto antes da crise é inviável.

"O que este realismo não entende", diz Rodrigo Nunes na mais consistente crítica até aqui de Bacurau – longa de Kleber Mendonça Filho e Juliano Dornelles –, "é que as condições materiais e políticas para aquele consenso deixaram de existir: não há retorno possível. O único caminho possível hoje é na direção de redefinir o centro, criar um novo consenso". Junho foi um basta. E quem entendeu isso primeiro foi a extrema direita. Se Junho não terminou, ainda tem jogo.

*Murilo Cleto é historiador, especialista em História Cultural e mestre em Cultura e Sociedade. É também pesquisador das novas direitas, professor, escritor e palestrante.

* * *

Este é um blog coletivo que pretende contribuir, sob diversos olhares – da comunicação à psicanálise, da ciência política à sociologia, do direito à economia –, para explicar o fenômeno da nova política. O "Entendendo Bolsonaro" do título indica um referencial, mas não restringe o escopo analítico. Toda semana, pesquisadoras e pesquisadores serão convidados a trazer suas reflexões. O compromisso é com um conteúdo acadêmico traduzido para o público amplo, num tom sereno que favoreça o debate de ideias. Convidamos você a nos acompanhar e a interagir conosco.

Sobre os autores

Pesquisadores e estudiosos da nova direita e suas consequências em diversos campos: da sociologia à psicanálise, da política à comunicação.

Sobre o Blog

Uma discussão serena e baseada em evidências sobre a ascensão da extrema direita no mundo.