PUBLICIDADE
Topo

Histórico

Categorias

Bolsonaro vê solidariedade como hipocrisia, diz filósofo

Entendendo Bolsonaro

22/04/2020 10h08

Na pandemia, Bolsonaro se recusa a agir: para ele, quem acredita na solidariedade social é hipócrita. (Crédito: AP/Andre Borges)

[RESUMO] O anticomunismo é pressuposto existencial do bolsonarismo. Mas, no seu imaginário, "comunismo" é apenas sinônimo de "comunidade". O bolsonarista não quer provar que o seu mundo é melhor, mas apenas que o mundo é cruel e não há alternativa. Contra a hipocrisia da solidariedade, o cinismo do cada um por si. O bolsonarismo, portanto, não se explica pela ordem, lei e ditadura, mas por uma espécie de caos individualista em que os mais fortes sobrevivem e a negação dessa condição é sempre tida como hipócrita.

* Moysés Pinto Neto

Uma das principais obsessões do imaginário bolsonarista na sua face ideológica é a eleição de inimigos. Como um legítimo populismo, sua estrutura discursiva pressupõe a constituição de uma luta simbólica (no mínimo) entre "eles" e "nós". E todos os inimigos acabam no mesmo destino: comunistas. O bolsonarismo, inspirado pelo guru da Virginia, é uma luta permanente e incessante contra o comunismo e o socialismo.

É esse espírito que leva muitos analistas a caracterizar o bolsonarismo como uma espécie de "campanha permanente". Tenho percebido, entretanto, que há algo mais profundo, mais estrutural em jogo: combater o que se entende por "comunismo", mais do que estratégia eleitoral, é pressuposto existencial do bolsonarismo.

Não se trata, portanto, de uma mera alternativa de extrema direita. Há uma ética — entendida no sentido mínimo de forma de habitar o mundo — que elege os comunistas como seus rivais. E não se trata, evidentemente, de uma crítica de extrema sofisticação intelectual ao comunismo como levantada por Hannah Arendt, Raymond Aron ou Cornellius Castoriadis. Há algo bem mais básico em jogo.

O que o bolsonarismo precisa sustentar não parece receber um bom nome apenas com fascismo, populismo reacionário ou neoliberalismo. Há uma espécie de defesa do que se convencionou chamar de "estado de natureza", no qual, segundo algumas versões, haveria a "guerra de todos contra todos" na qual sobreviveriam apenas os mais fortes. Hobbes sem o Leviatã. Todos homens seriam redutíveis aos seus "lobos". Ser "homem" é ser esse "lobo". O mundo é dos lobos. Dos supremos. Supremacismo.

Em termos políticos materiais, o bolsonarismo foi composto e engrossado em várias camadas, mas para efeito do presente texto vale destacar três delas:

(a) uma camada que nunca aceitou o pacto constituinte de 88 e o modelo "cidadão" que, a partir daí, promulgou diversos estatutos de proteção a direitos e inaugurou uma nova cena política pós-ditadura. Essa camada sempre entendeu que a violência é a melhor maneira de solucionar conflitos, permaneceu nostálgica do regime militar e encontrou respaldo simbólico em algumas margens da cultura pop como a espetacularização promovida por um segmento hollywoodiano, o sensacionalismo televisivo em programas de criminalidade e mais tarde no submundo da Internet até chegar ao universo chan/zap de hoje;

(b) uma camada que considera a corrupção o pior mal do país e, diante dos sucessivos escândalos nos últimos dez anos, perdeu toda fé nas instituições e aderiu a um discurso fácil de faxina moral. Na medida em que as compensações econômicas sumiram, ela vestiu a camiseta anticorrupção como central;

e (c) uma camada que, percebendo a ascensão das duas anteriores, engatou seu discurso hipercapitalista como alternativa contra a corrupção associando não apenas desvios do patrimônio público, mas direitos sociais e inclusive fenômenos culturais financiados coletivamente como obras de corrupção, soldando assim elites culturais, direitos sociais e cultura cidadã como antagonistas do indivíduo "carregador de piano" cujo discurso direto e simplista seria exatamente seu maior mérito.

Quando (c) engatou em (a) e (b), o bolsonarismo firmou um novo feixe político articulado  um populismo autoritário  a partir da ideia de que "agora é cada um por si e o resto é corrupção".

A verdadeira prosperidade brasileira é a negação de qualquer projeto coletivo. O que os bolsonaristas chamam de "socialismo" ou "comunismo" não são os modelos políticos correspondentes, mas a possibilidade de uma sociedade e uma comunidade movidas pela solidariedade social. A afirmação do laço social é, sob qualquer circunstância, interpretada como socialista. Por isso, Doria, Globo, alguns militares são todos… socialistas.

Veja também

Assim, o discurso bolsonarista agora se radicaliza para "é preciso trabalhar, sobreviva quem puder" diante da Covid-19, já que ele pressupõe que o Estado  figurando apenas como avatar do coletivo, da sociedade, da comunidade  , que era entre outras coisas um segurador social para situações como esta, acabou.

A primeira pessoa que tem que se preocupar com o grupo de risco é você, que tem o pai, a mãe e o avô dentro de casa. Não é esperar que o governo faça alguma coisa. O governo está fazendo, mas não pode fazer tudo que acham que o Estado tem que fazer

Jair Bolsonaro

A segurança e a assistência social são formas de corrupção. Assim como os sanguessugas da cultura, que gastam o dinheiro público com hipocrisia ou devassidão, também o discurso preventivo da pandemia é "hipócrita" e "politicamente correto" diante da evidência de que todo "social" é sempre corrupto e não há, portanto, outra via que não as coisas retornarem mesmo sob a sombra da morte.

Contra a hipocrisia da solidariedade, o cinismo do cada um por si. O bolsonarismo, portanto, não se explica pela ordem, lei e ditadura, mas por uma espécie de caos individualista em que os mais fortes sobrevivem e a negação dessa condição é sempre tida como hipócrita.

A solidariedade social é como o "politicamente correto": falsa, mentirosa, impossível. A única verdade é: quem tem a força deve mandar, quem tem juízo, obedecer. Com isso, todos são devidamente atendidos, pois as hierarquias são irrecusáveis e a força é o mérito.

A relação com o liberalismo é apenas torta e precária, baseada na prevalência do mercado como máquina capaz de colocar os indivíduos nos seus devidos lugares. Mas os valores fundamentais do liberalismo, afirmados mediante princípios inscritos em estatutos jurídicos, são inadequados. A própria lei já é um limite, pois estabelece limites à força e à violência. O bolsonarismo é avesso à lei e ao direito — é uma filosofia da ação direta, da vontade, uma crença no herói viril que põe fim aos problemas com a força.

A dificuldade no debate público é que a conversa política argumentativa pressupõe uma certa concordância em torno a um núcleo comum de princípios, ou no mínimo sobre sua validade, ou pelo menos algum tipo de aposta em um mundo melhor — mesmo que o melhor seja simplesmente o que já está aí.

Mas o bolsonarista não quer provar que seu mundo é melhor, ele quer provar que o mundo é cruel e não há alternativa. Logo, seu objetivo nunca é provar que tem o melhor ponto, mas apenas atacar o interlocutor como falso, corrupto, mentiroso ou comunista.

E agora já sabemos quem é o comunista: todo e qualquer um que se colocar contra o cada um por si e vença o mais forte. Não é socialismo, é sociedade. Não é comunismo, é comunidade.

Todo laço social é corrompido. Toda solidariedade é mentirosa. Quem contesta a brutalidade do mundo só pode ser um hipócrita. O mundo é o que é: força e vontade. Todo resto é mera perfumaria retórica sem importância.

* Moysés Pinto Neto é doutor em Filosofia pela PUC-RS e professor da Universidade Luterana do Brasil.

* * *

Este é um blog coletivo que pretende contribuir, sob diversos olhares – da comunicação à psicanálise, da ciência política à sociologia, do direito à economia –, para explicar o fenômeno da nova política. O "Entendendo Bolsonaro" do título indica um referencial, mas não restringe o escopo analítico. Toda semana, pesquisadoras e pesquisadores serão convidados a trazer suas reflexões. O compromisso é com um conteúdo acadêmico traduzido para o público amplo, num tom sereno que favoreça o debate de ideias. Convidamos você a nos acompanhar e a interagir conosco.

Sobre os autores

Pesquisadores e estudiosos da nova direita e suas consequências em diversos campos: da sociologia à psicanálise, da política à comunicação.

Sobre o Blog

Uma discussão serena e baseada em evidências sobre a ascensão da extrema direita no mundo.

Entendendo Bolsonaro