Topo
Entendendo Bolsonaro

Entendendo Bolsonaro

Categorias

Histórico

Refugiado no cinismo, Bolsonaro governa para indignar opositores

Entendendo Bolsonaro

22/08/2019 09h46

(Crédito: Marcos Corrêa/PR)

*Rafael Burgos 

Na última quarta-feira (21), na abertura do Congresso Aço Brasil, o presidente Jair Bolsonaro discursou em reação a críticas de que estaria interferindo em órgãos de Estado, como a Polícia Federal (PF) e a Receita.

Na ocasião, Bolsonaro esbravejou:

Houve uma explosão junto à mídia no Brasil, uma explosão. Está interferindo? Ora, eu fui [eleito] presidente para interferir mesmo, se é isso que eles querem. Se é para ser um banana ou um poste dentro da Presidência, tô fora.

O tom da fala é o mesmo de muitas outras proferidas especialmente nos últimos meses, desde que radicalizou o seu discurso após a sinalização positiva da Previdência no Congresso.

Veja também

Há algo de inovador nesse tipo de discurso, pois ele gera indignação pública e, ao mesmo tempo, é proferido com esse exato propósito.

Bolsonaro tem se aproveitado desta situação, pois o caráter experimental desse comportamento lhe permite explorar reações ingênuas da imprensa e de opositores.

Na era pré-bolsonarista, em regra, o presidente cujas falas adotavam repercussão negativa tinha que escolher uma entre duas opções: se desculpar pelo deslize ou insistir na frase a fim de atenuar o seu sentido original: o famoso "eu não quis dizer isso".

Bolsonaro pega todos de surpresa ao, sistematicamente, reagir de modo diferente: diante de suspeitas negativas, ele as reafirma. Há críticas de interferência do presidente em órgãos de Estado? "Eu fui [eleito] presidente para interferir mesmo".

Ao falar para indignar, o capitão reformado adota o que o filósofo Vladimir Safatle chama de "racionalidade cínica".

O conceito é usado para descrever um tipo de razão, predominante no capitalismo contemporâneo, em que os sujeitos partem para a ironização absoluta das suas próprias condutas, como resposta a uma realidade que não corresponde às suas expectativas de validade.

O cinismo é, para Safatle, uma maneira de acomodar o estado de crise.

Diante de uma realidade que não responde mais a expectativas de validade, resta ao sujeito a ironização absoluta dos modos de vida. Ou seja, resta ao sujeito mostrar, a todo o momento, que esta realidade não pode ser tomada a sério, devendo a todo momento ser revertida e pervertida.

 Vladimir Safatle, "Cinismo e falência da crítica" (Ed. Boitempo, 2008)

No contexto brasileiro, o cinismo do poder seria a resposta de quem preside um país que desistiu de produzir consensos, de modo que a linguagem das suas lideranças se afasta da busca do comum. O "sistema" se esgotou e, por ora, a alternativa é legitimar um estado permanente de crise, uma crise de produção de significados.

Para não ter de se justificar e, assim, disputar verdades, confrontar argumentos, Bolsonaro decide boicotar a si mesmo, interditando o fluxo comunicativo, frustrando as expectativas do receptor de sua mensagem, de modo que o resultado dessa dinâmica é um imenso ruído.

É uma tática inteligente e que traz à tona um paradoxo, pois é o ímpeto oposicionista para demonstrar os "absurdos" de Bolsonaro que consolida o seu apoio dentre o famoso "um terço" do eleitorado, aqueles que dependem exatamente de uma oposição barulhenta para reafirmar a sua identidade.

É preciso dizer que Bolsonaro governa não apenas para dividir, mas para indignar.

Da próxima vez que se insurgir contra uma fala do presidente, lembre-se: foi para isso que ela foi proferida.

*Rafael Burgos é jornalista, autor do TCC "Donald Trump: a redenção pelo regresso".

* * *

Este é um blog coletivo que pretende contribuir, sob diversos olhares – da comunicação à psicanálise, da ciência política à sociologia, do direito à economia –, para explicar o fenômeno da nova política. O "Entendendo Bolsonaro" do título indica um referencial, mas não restringe o escopo analítico. Toda semana, pesquisadoras e pesquisadores serão convidados a trazer suas reflexões. O compromisso é com um conteúdo acadêmico traduzido para o público amplo, num tom sereno que favoreça o debate de ideias. Convidamos você a nos acompanhar e a interagir conosco.

Sobre os autores

Pesquisadores e estudiosos da nova direita e suas consequências em diversos campos: da sociologia à psicanálise, da política à comunicação.

Sobre o Blog

Uma discussão serena e baseada em evidências sobre a ascensão da extrema direita no mundo.