PUBLICIDADE
Topo

Histórico

Categorias

O inferno é o limite

Entendendo Bolsonaro

09/08/2020 12h25

A Praia de Copacabana, no Rio de Janeiro, foi palco de um protesto em memória das mais de 100 mil vítimas da covid-19 (Crédito: Reprodução)

* Renato Janine Ribeiro

Era para serem "oitocentas" as vítimas brasileiras da "gripezinha", disse em março o presidente Bolsonaro. Chegaram agora a cem mil. Há dois meses, estão acima de mil por dia, sem sinal de arrefecimento. O céu, ou o inferno, é o limite.

Enquanto isso, o governo federal continua sem fazer o que deve – na saúde, mas também na educação, séria vítima da pandemia, porque as escolas particulares ainda conseguiram improvisar um ensino remoto emergencial, mas a enorme rede pública, com perto de 40 milhões de crianças e adolescentes, não teve êxito nisso. Falta banda larga, falta equipamento para os alunos, falta espaço para eles seguirem as aulas em suas casas, falta bom senso a secretarias que mandam alunos pobres imprimirem material que recebem por e-mail – sem que eles tenham dinheiro para isso.

E isso enquanto secretários de Saúde e Educação, assim como o pessoal dessas duas áreas, dão o melhor de si para enfrentarmos a pandemia – sem nenhum apoio, sequer verbal, do governo brasileiro. Estados e municípios, assim como os cidadãos, estão entregues a si mesmos. Mas não vou insistir no que é óbvio. Quero elaborar um pouco como o Brasil, país que era amado e às vezes admirado, se tornou, nas palavras de um amigo outro dia no Facebook, uma nação da qual hoje se tem pena.

Veja também

Penso que uma forma de tratar deste assunto é dizer: a Constituição foi e está sendo destruída. Em 1988, o Brasil aprovou sua primeira Carta a dizer o que o país quer ser. Está já no começo do documento. As Constituições anteriores, como a norte-americana e muitas outras, começavam pelo funcionamento do Estado. O cidadão entrava no final. Importava o Estado, mais que o país, a nação ou o povo.

Thomas Jefferson condicionou a ratificação da Constituição norte-americana pelos Estados componentes ao compromisso de imediatamente se adicionar a ela uma declaração de direitos. Foram doze emendas aprovadas em 1789, das quais dez compõem o Bill of Rights, documento histórico (duas não foram ratificadas e não entraram em vigor). Em nossa Constituição de 1946, os direitos dos cidadãos estavam apenas no artigo 141. E ela não dizia o que o Brasil queria ser.

Hoje, nossos direitos estão no art. 5º. Nos anteriores, se afirma que o Brasil quer ser uma sociedade justa, sem miséria, que nas relações internacionais buscará a paz e além disso a integração latino-americana.
Tudo isso tem sido violado impunemente estes anos. Recentemente, ex-ministros das Relações Exteriores, dos mais variados governos, assinaram documento elencando como o art. 4º, que trata de nossa politica internacional, está sendo sistematicamente agredido pelo governo atual. O Supremo, nem tchans.

Se lermos os artigos 1º a 12 da Constituição, e depois os capítulos que tratam da seguridade social, da saúde, da previdência e assistência sociais, da educação, cultura, ciência, tecnologia e inovação, da comunicação, do meio ambiente, da família, da criança, adolescente, jovem e do idoso, bem como dos índios (arts. 194 a 232), veremos centenas de princípios éticos pelos quais o Brasil se propôs a viver. Isso sem contar que, na estrutura do Estado, de que se ocupam os trechos entre o princípio e o final da Constituição, também pretende-se fazer que o País seja uma comunidade de gente vivendo bem, e esse "bem" não se refere apenas a dinheiro, mas à ética.

E não é apenas a Constituição, também as leis estão sendo descumpridas. A Fundação Palmares, criada para promover a cultura e a dignidade negras, é chefiada hoje por uma pessoa que odeia Zumbi dos… Palmares. Na Casa de Rui Barbosa se aposenta uma intelectual de primeira, e a presidente da entidade nem toma conhecimento. As leis que criaram fundações, museus, universidades, hospitais são claras. Visam à cultura, à educação, à saúde, à ciência. Mas tudo isso pode ser descartado sem que as instituições, que mídia e alguns analistas políticos cantam em prosa e verso, tujam ou mujam. Hoje, o Brasil é o paraíso do descumprimento da Constituição e da lei. O que equivale a dizer: é o inferno da ética.

Quando e como começou essa distopia? Penso que foi com o impeachment de Dilma Rousseff. Sei que parte dos leitores não gostará do que digo. Mas, se havia base política para tirá-la – ela perdera a liderança e mesmo a popularidade –, não havia elementos jurídicos sérios para tanto. Assim como a condenação e prisão de Lula não tinham sustentação nas leis ou na jurisprudência. A Vaza Jato provou isso plenamente, a começar pelos vínculos entre os acusadores e o julgador de Lula, o que é inaceitável em qualquer país decente.

Afirmei, quando Lula foi impedido de concorrer à presidência pela decisão política de um juiz, que nos nivelávamos à Malásia, onde o chefe do governo, ao se ver ameaçado de perder as eleições por um antigo colaborador, precipitou sua condenação à prisão (no caso, por suposta sodomia, crime naquele país). Ou a outros países em que o Judiciário impediu favoritos de disputar eleições.

Em quase todos esses casos, nosso Judiciário se omitiu. O Supremo Tribunal Federal de vez em quando restabelece a Constituição, como quando voltou a admitir que só após o trânsito em julgado das sentenças é que elas devem ser sistematicamente aplicadas. (Lembrando: uma pessoa pode ser presa mesmo depois da condenação em primeira instância – aliás, muita gente está presa sem mesmo estar sendo processada – mas uma coisa é ela poder ser presa, por várias razões a critério do Judiciário, outra é ela ter de ser presa. O que o STF admitiu, antes da eleição presidencial, é que fosse obrigatório prender os condenados em segunda instância, descumprindo a Constituição. Quando Bolsonaro já estava eleito, soltou Lula e muitos outros que, mais tarde, serão absolvidos em instâncias superiores (e o que farão? Pedirão indenização pela prisão injusta?).

Isso tem a ver com as cem mil mortes? Seguramente. Porque a própria existência de um Ministério da Saúde somente se justifica pela proteção da vida e do bem-estar da população. Se ele não divulga dados, não lidera os esforços dos entes subnacionais, descumpre seu papel. Preceitos fundamentais estão sendo deixados de lado com a maior facilidade. E assistimos a tudo isso, como diria Aristides Lobo, bestializados. Ainda mais porque a revista piauí acaba de narrar, com profusão de detalhes, uma decisão de fechar o STF tomada pelo presidente e que falhou por pressão de seus generais – e o Executivo não desmente, e os outros poderes não reagem, fazem-se de desentendidos. Como isso?

Há valores que estão acima de nossas divergências. Como disse Felipe Neto, não são questão de política, mas de humanidade. A vida está acima de pequenas considerações políticas (é óbvio que um político que faz da arminha seu símbolo não gosta da vida, pelo menos da dos outros…). Uma Constituição é para ser cumprida por qualquer partido, de direita ou de esquerda. Os meios de implementá-la serão diferentes, mas ela tem de ser obedecida. Devemos, na mídia, nas redes sociais, no Congresso e no Judiciário, exigir isso.

* Renato Janine Ribeiro é professor titular de Ética e Filosofia Política da Universidade de São Paulo (USP) e ex-ministro da Educação (2015)


Este é um blog coletivo que pretende contribuir, sob diversos olhares – da comunicação à psicanálise, da ciência política à sociologia, do direito à economia –, para explicar o fenômeno da nova política. O "Entendendo Bolsonaro" do título indica um referencial, mas não restringe o escopo analítico. Toda semana, pesquisadoras e pesquisadores serão convidados a trazer suas reflexões. O compromisso é com um conteúdo acadêmico traduzido para o público amplo, num tom sereno que favoreça o debate de ideias. Convidamos você a nos acompanhar e a interagir conosco.

Sobre os autores

Pesquisadores e estudiosos da nova direita e suas consequências em diversos campos: da sociologia à psicanálise, da política à comunicação.

Sobre o Blog

Uma discussão serena e baseada em evidências sobre a ascensão da extrema direita no mundo.

Entendendo Bolsonaro